quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Antiga Ermida e Hospital da Luz da Ordem de Cristo


O culto a Nossa Senhora da Luz em Carnide, inicia-se no século XV e tem como principal fomentador Pêro ou Pedro Martins, um habitante local que, segundo conta a história, estaria na Argélia, pelo ano de 1463, onde foi capturado pelos árabes. Durante o tempo que ficou preso, desesperado, terá começado a rezar a Nossa Senhora para que o livrasse daquele tormento pelo que durante trinta dias lhe apareceu uma imagem da Virgem. Em troca da sua liberdade a imagem ter-lhe-á anunciado que em Carnide junto a uma fonte, onde havia algum tempo aparecia uma luz (que muito intrigava os locais), acharia uma imagem sua à qual deveria erguer uma ermida. Pêro Martins foi “miraculosamente” libertado, regressou a Carnide e junto à Fonte do Machado que estava em “hũ espeso bosque” terá descoberto a imagem de Santa Maria por baixo de uma pedra. A população local, naturalmente animada com esta revelação, oferece-se para ajudar na construção de uma ermida no sítio onde foi encontrada a imagem, junto à Fonte do Machado e consagrada a Nossa Senhora da Luz, pelas circunstâncias que conduziram à sua “descoberta”. 
Na realidade pouco ou nada se conhece da primitiva ermida, da qual nos chegaram muito poucos elementos históricos e materiais sabendo-se no entanto que “...é de muito grandíssima romagem, assim de gente de Lisboa e seu termo, como de todo o Reino, e de estrangeiros que à dita cidade vêm...”

Durante o reinado de D. João III, a ermida de Nossa Senhora da Luz foi doada à Ordem de Cristo dando lugar à construção de uma igreja de maiores dimensões, patrocinada pela Infanta D. Maria (1521-1577), irmã do monarca, que conhecedora das virtudes do local, das propriedades benéficas da fonte do Machado e com particular devoção a Nossa Senhora da Luz, irá destiná-la para seu mausoléu. Afirmando o seu poder económico, político e social, a Infanta delineia para o sítio da Luz um projecto que parece assentar claramente na criação, em conjunto com a Ordem de Cristo, de um verdadeiro núcleo espiritual e de auxílio à população local e distante, reiterado quando edifica à sua custa, a construção de um Hospital para acolher enfermos pobres e peregrinos.

Arquitectura religiosa, maneirista e oitocentista, o Convento da Ordem de Cristo, de que apenas subsistem vestígios da área conventual e o transepto, capela-mor da igreja e retro-coro, dando origem a uma planta em T invertido, sendo difícil aquilatar a sua primitiva estrutura. Fachada principal executada no séc. XIX, com remate em frontão triangular, com os vãos rasgados em eixo, composto por portal de verga recta e janelão rectilíneo do antigo coro-alto. Fachadas circunscritas por cunhais apilastrados, rematadas em cornija, surgindo, no antigo transepto, frontão triangular e platibanda plena, a lateral esquerda rasgada por várias janelas rectilíneas, algumas em capialço, que permitem a iluminação intensa do interior. No topo da fachada lateral, a sineira seiscentista, de pequenas dimensões, com ventanas de volta perfeita e cobertura em domo. O interior constitui um interessante exemplar de uma igreja maneirista, com acção mecenática régia, servindo de panteão à Infanta D. Maria. Possui as paredes em cantaria, formando apainelados almofadados de várias tonalidades de calcário, tendo arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, flanqueado por retábulos colaterais de talha dourada e policroma, ambos do período barroco joanino. Apresenta coberturas diferenciadas, em aresta no cruzeiro do transepto, com os braços cobertos por abóbadas de berço, todas ornadas por elementos apainelados cruciformes, destacando-se a cobertura da capela-mor, em caixotões, também eles com almofadados recortados, numa bicromia branca e vermelha. Esta tem as paredes divididas num jogo de vários tramos e registos, com ordens arquitectónicas distintas e vazadas por nichos com estatuária. Retábulo-mor de talha dourada, de tipologia por andares, de planta recta, dois registos e três eixos, definidos por quarteirões, compostos por painéis pintados com temática mariana. Ao centro, maquineta vazada, maneirista, com estrutura em dois andares, composto por colunas coríntias, com o terço inferior ornado por grotescos, consistindo na ligação com o retro-coro, entretanto transformado em sacristia, num recurso comum na época, mas de que restam poucos vestígios, talvez o mais conseguido, o de São Vicente de Fora. A zona conventual mantém a mole do primeiro piso da fachada principal, onde se denotam vários elementos de cantaria, portais maneiristas, em arco de volta perfeita e duplas pilastras toscanas, sendo outros em arco abatido, revelando uma reforma no final de Setecentos.

O conjunto edificado constituído por Convento e Hospital e a total delegação da sua administração na Ordem de Cristo, atribui-lhe uma função renovada, na medida em que não assumindo os contornos militares de outrora, tornava-se fundamental conceber novos objectivos. Portugal continuava na sua expansão pelo mundo, nomeadamente na Índia e no Brasil, facto que levava muitos mareantes e navegadores a rumarem aqui antes de embarcarem, dada a sua grande devoção por Nossa Senhora da Luz.

Em 1755, os edifícios do Convento e Hospital sofreram graves danos. O Convento é extinto em 1795 calculando-se que, até 1807, terão aí residido religiosos que assegurariam o funcionamento do culto e da eucaristia. Com a instalação do Colégio Militar no edifício do Hospital, em 1814, passaria o restante conjunto monástico a fazer parte das suas instalações.

O culto a Nossa Senhora da Luz que nasce em Carnide, é fortemente assimilado no restante país e no resto do “mundo ultramarino português” através da Ordem de Cristo que o propaga e implementa. Este conjunto insere-se numa nova dinâmica da Ordem, ainda pouco estudada, com a reestruturação do Convento de Tomar e a construção de duas novas casas em Coimbra (Colégio de Tomar) e Lisboa (N. Sr. Da Luz). Com a destruição do Colégio de Coimbra, Nossa Senhora da Luz torna-se a segunda casa da Ordem de Cristo ainda existente, assumindo um papel primordial na história do seu património arquitectónico, urbano, histórico, monumental e etnográfico.

Autor: A. Pires

2 comentários:

  1. TUDO QUANTO DIGA RESPEITO A DIVULGAÇAO DA N/ LINGUA, PATRIMONIO E CULTURA...deve ser partilhado...so assim cresceremos...bem haja quem lhe da continuidade

    ResponderEliminar
  2. PARABENS. ESTE BLOG É FANTÁSTICO!

    ResponderEliminar