quinta-feira, 31 de maio de 2012

Mosteiro dos Jerónimos


Do local onde actualmente se encontra o Mosteiro dos Jerónimos, como vulgarmente é conhecido, partiram as primeiras naus para os empreendimentos marítimos, nomeadamente para a Índia e Brasil. A praia do Restelo abria-se em pequena enseada, constituindo um bom local de abrigo de barcos. Neste porto, a actividade era extensa, uma vez que era um local de artesanato e comércio, constantemente visitado por mareantes. A população que ali morava não dispunha de cemitério, e faltava aos fiéis um lugar de culto. Foi neste local que o Infante D. Henrique mandou erguer uma igreja e um pequeno cenobício da Ordem de Cristo, para prestarem então assistência espiritual aos mareantes e à população ai fixada.
D. Manuel I, imediatamente depois de ser coroado em 1495, ordenou a edificação de um mosteiro neste mesmo lugar, 46 anos após a morte do Infante D. Henrique. Os cavaleiros da Ordem de Cristo cederam então a igreja, casas e terrenos à Congregação dos Jerónimos com a obrigação destes celebrarem missa diária em sufrágio do infante D. Henrique, e depois, do rei D. Manuel I e de seus sucessores. Na igreja monástica queria ainda o rei ser sepultado.

O Mosteiro dos Jerónimos, obra fundamental da arquitectura manuelina, teve o risco inicial de Boitaca (1502), que lançou os fundamentos da Igreja e do Claustro, e cuja campanha de obra inclui o arranque do portal principal, tendo igualmente deixado marca indelével neste monumento mestres-pedreiros-arquitectos, como João de Castilho (c.1475-1552), Diogo de Torralva (c. 1500-1566) e Jerónimo de Ruão (1530-1601).
As razões que teriam levado D. Manuel I a substituir a Ordem de Cristo pelos Monges Jerónimos integraram--se decerto numa estratégia política ou jogo de correlação de forças. A predilecção de D. Manuel I pelos frades Jerónimos ficaria bem assinalada no grande apoio concedido a diversas fundações.
Além de Santa Maria de Belém, D. Manuel I e D. João III (1521-1616) acrescentariam novas casas à expansão dos Jerónimos. Esta instituição fundara-se no século XIV, em Itália, aglutinando grupos dispersos de eremitas inspirados nos textos do asceta S. Jerónimo (séculos IV-V), um dos quatro Doutores da Igreja Ocidental. Vieram os primeiros Jerónimos para a Península Ibérica ainda no século XIV e entre nós beneficiaram do apoio de D. João I, que para eles comprou a quinta da Penha Longa e mandou ali erguer um mosteiro de onde sairia o grupo que deu vida ao de Belém. Notabilizaram-se os frades de S. Jerónimo por um extraordinário labor cultural, registando a nossa História nomes de grandes mestres dessa Ordem em diversos campos.
D. Manuel I doou ao mosteiro em 1499 o vultoso benefício da cobrança da vigésima parte do ouro que viesse da Guiné, a «vintena da pimenta», e das especiarias e pedrarias da Índia, caudal que não só sustentaria desafogadamente a comunidade e as suas iniciativas culturais e benefecientes, como, de imediato, deu para contratar os melhores mestres e custear toda a despesa da edificação.
D. Manuel I, entretanto, ia alterando o programa original da obra, querendo agregar ao mosteiro uma residência régia ocasional. A morte do rei em 1521 terá afastado essa ideia. Uma outra função, empresarial, seria a de armazém da provisão de navios a instalar na extensa galeria do piso térreo da ala poente, de arcaria aberta a sul. D. Manuel I quis também fazer da igreja panteão real, para si e para sua linha sucessória, tornando-se, em consequência, apenas permitidos enterramentos régios no interior do templo.
Obras posteriores vieram modificar o edifício. D. Catarina, viúva de D. João III, mandou demolir a capela-mor, por ser pequena, e construir a que conhecemos. Nas épocas de D. Sebastião, dos Filipes de Espanha, de D. Pedro II e de D. João V, foram introduzidos novos elementos de modernização, especialmente decorativa.

Em 1584, Filipe II retirou ao Mosteiro dos Jerónimos o citado rendimento dos 5% sobre alguns produtos ultramarinos, o que conduziu ao início das dificuldades financeiras. Estas, continuariam no tempo de D. João V, decaindo a importância do mosteiro e acentuando-se a carência de meios materiais. Os problemas conflituosos agravaram-se com o governo do Marquês de Pombal, levando os frades a buscar novas (e mais escassas) fontes de subsistência, como o aluguer da galeria-armazém à Tanoaria Real, à Alfândega de Lisboa e a armazéns de produtos das terras encontradas, e também o fabrico e venda de pastéis de nata (cuja fama se mantém), etc. O Estado negava direitos ao mosteiro, apossava-se dos seus haveres, a Real Junta da Marinha instalada nas arcadas não pagava rendas desde 1763, as tropas inglesas e o Hospital Militar Britânico durante cinco anos aquarteladas nas galerias superiores do claustro, para o que foram entaipados os arcos, danificaram muito o mosteiro e não havia dinheiro para reparações. Definhavam os estudos e a vida espiritual e moral do convento.
Extinto pelo governo liberal em 1833, o mosteiro foi incorporado na coroa, tornando-se nova instalação do instituto educativo fundado por Pina Manique, a Casa Pia, passando a igreja a sede de paróquia. O valiosíssimo recheio do mosteiro praticamente desapareceu, tendo uma grande parte sido destruído.

Desde sempre intimamente ligado à casa Real Portuguesa, o Mosteiro dos Jerónimos, pela força da Ordem e suas ligações a Espanha, pela produção intelectual dos seus monges, pelo facto de estar inevitavelmente ligado à epopeia dos Descobrimentos e, inclusivamente, pela sua localização geográfica, na capital, à entrada do porto, é cedo interiorizado como um dos símbolos da nação lusa.
Inclui, entre outros, os túmulos dos reis D. Manuel I e sua mulher, sua filha D. Maria, D. João III e sua mulher D. Catarina, D. Henrique e ainda os de Vasco da Gama, de Luís Vaz de Camões, de Alexandre Herculano e de Fernando Pessoa.
Declarado Monumento Nacional em 1904, passou a “Património Cultural de Toda a Humanidade” em 1984, por declaração da UNESCO.
Os Claustros do Mosteiro dos Jerónimos foram o palco da assinatura do tratado de adesão à ComunidadeEuropeia, em 1986, sendo simbolicamente escolhidos para expressar que ser europeu não implica a perca da identidade portuguesa.

Autor: A. Pires
Adaptacão de vária literatura e consulta internet

quinta-feira, 10 de maio de 2012

O Convento da Ordem do Carmo


O Convento da Ordem do Carmo, monumento edificado no século XIV, ergue-se no Monte do Carmo, com cabeceira em posição destacada sobranceira ao Rossio e fronteira ao Castelo de S. Jorge. Começou por ser um convento carmelita, hoje, é a sede da Associação dos Arqueólogos Portugueses e também museu arqueológico.

De traço gótico, a igreja segue o modelo das construções mendicantes do século XIII, mas já de influência do Mosteiro da Batalha. A planta é em cruz latina, de três naves e cinco tramos, tem cabeceira com capela-mor saliente e de maior altura, ladeada por quatro absidíolos poligonais escalonados, o que constitui uma variante do modelo da Batalha e evolução do modelo das cabeceiras das igrejas mendicantes mais importantes. Manifesta ainda influência batalhina nos dois andares da capela-mor e na decoração vegetalista de duas filas nos capitéis, nítido neogótico romântico na forma híbrida dos pilares da igreja. As janelas da capela-mor são baixas e mal proporcionadas, contrastando com a elegância das frestas dos absidíolos. 
Nas obras do convento trabalharam os artificies Lourenço Gonçalves, Estêvão Vasques, Lourenço Afonso e João Lourenço e alguns operários de origem judaica, como Judas Acarron e Benjamim Zagas. Das antigas dependências conventuais subsiste o claustro, de planta rectangular, o refeitório, hoje dividido em dois pisos, a sacristia, de planta rectangular e coberta por cruzaria de ogivas, e uma torre sineira robusta. 
Segundo a tradição, foram construídas na cerca do convento celas provisórias para acolher os freires vindos do Mosteiro de Moura. Afonso Dornelas supõe-nas de pequeníssimas dimensões, divididas umas das outras por paredes de adobe, formando pequeno quadrado com claustro ao centro. A cela que formava o ângulo das duas alas de celas era a de Nuno Álvares Pereira e ficou conhecida como "Casa do Século". Esta situava-se, portanto, junto à "Porta do Carro", sensivelmente correspondente hoje ao lado direito da entrada do túnel que dá acesso ao quartel da GNR.

O convento foi mandado construir em 1389 pelo Condestável D. Nuno Álvares Pereira, em terrenos adquiridos ao almirante Pessanha e à irmã do Condestável, D. Beatriz, obtendo licença papal de Urbano VI. O solo arenoso e a escarpa instável levaram ao desmoronamento dos alicerces por duas vezes, obrigando D. Nuno a dizer que se os alicerces caíssem de novo haviam de ser de bronze. Em 1392, o Condestável convidou os frades carmelitas de Moura a ingressarem no convento.
Em 1404, D. Nuno Álvares Pereira doou ao convento o seu património e, mais tarde, professou na ordem dos carmelitas e doou-lhes o convento. Em meados do século XVI, o convento tinha a renda de 2 000 cruzados e albergava 70 frades e 10 servidores. Nos finais do século XVII, durante as guerras da Sucessão, os monges tentaram ajudar D. António, Prior do Crato, nas suas pretensões ao trono. 
Devido ao terramoto de 01 de Novembro 1755 ficou em ruinas, não tendo sido reconstruído, constitui-se num dos principais testemunhos da catástrofe visíveis na cidade.

Actualmente as ruínas abrigam o Museu Arqueológico do Carmo. O corpo principal da igreja e o coro, cujo telhado resistiu ao terramoto, foram requalificados e abrigam hoje um Museu Arqueológico com uma pequena mas interessante colecção. 
Do paleolítico e neolítico português destacam-se as peças provenientes de escavações de uma fortificação pré-histórica perto de Azambuja. 
O núcleo de túmulos góticos inclui o de D. Fernando Sanches, início do século XIV, decorado com cenas de caça ao javali, e o magnífico túmulo do rei D. Fernando I, transferido de um convento em Santarém para o museu. Destaca-se também uma estátua de um rei do século XIII, talvez D. Afonso Henriques, além de peças romanas, visigóticas e até duas múmias peruanas.
 
O conjunto, que já foi a principal igreja gótica da capital, e que pela sua grandeza e monumentalidade concorria com a própria Sé de Lisboa, ficou em ruínas no terramoto de 1755. É possível que a ruína do Convento do Carmo e do vizinho Convento da Trindade, aquando daquele terramoto, esteja na origem da expressão popular "Cair o Carmo e a Trindade".

Autor: A. Pires

quinta-feira, 3 de maio de 2012

A origem da língua portuguesa


Cumpre aos linguistas propor hipóteses explicativas da origem duma língua, tanto nos seus aspectos morfológicos quanto sintácticos, entendendo pelos primeiros o modo como as palavras se pronunciam e se escrevem, analisando os segundos o modo como se entrelaçam na frase, inclusive possibilitando, dessa forma, alguma mudança de significado – pois também aqui o contexto desempenha papel relevante. 

O sugestivo e bem eloquente relato bíblico da Torre de Babel (Génesis 11, 1-8) explicita que todas as línguas brotaram dum tronco comum. No que respeita ao Ocidente, dessa base têm partido os linguistas, ao considerarem o indo-europeu essa base donde tudo partiu. 
Ao embrenhar-me no tema das divindades indígenas, pré-romanas, na mira de, através da análise etimológica dos teónimos, lhes determinar atributos e funções, à Linguística tive, pois, de recorrer. Um emaranhado de sugestões – adiante-se desde já – porque se lida com vocábulos fruto de longa evolução, cujo som e respectiva representação gráfica algo terão, necessariamente, de aleatório. 
Uma convicção perfilho, hoje: o do importante papel da oralidade e da convivência. A transposição escrita do que se ouve está sujeita a inúmeras contingências (recorde-se o caso da senhora que se chama Prantilhana…); e não vale a pena, por isso, digladiarmo-nos por causa dum e ou dum i. A própria pronúncia da mesma palavra assume tonalidades diferentes, inclusive no Português, que é uma das línguas consolidadas há mais tempo no Ocidente europeu. Virá a talhe de foice recordar que, em relação ao Latim, há três possíveis pronúncias para, por exemplo, o nome Cicero: a (dita) restaurada, a ‘portuguesa’ e a romana!... 

Derivado, sem dúvida, do Latim, o Português acolheu de boamente contributos do Grego, do Árabe, do Visigótico… e, já nos nossos dias, consignados no Dicionário da Academia, termos próprios de outros países europeus, do Brasil e dos PALOPS (daí, a ideia peregrina do tal acordo ortográfico…). 
O lugar e o tempo constituem, consequentemente, coordenadas a ter em conta, mormente se pensarmos que, apesar de termos apenas duas línguas oficiais – o Português e o Mirandês – há ainda o barranquenho, o minderico e – porque não? – o falar algarvio, o falar gandarês…. 
O Brasil poderá ser também motivo de sugestiva análise, se atentarmos que, logo no aeroporto, quando chegamos, deparamos não com a indicação «tapete» mas o classicíssimo «esteira»; e a nossa ‘fotocópia’ é… xerox! A simbiose perfeita entre o conservadorismo vernáculo e a adopção sem peias do neologismo preciso. 

Qual a origem da língua portuguesa, portanto? O Povo que desde há muito séculos a fala, em épocas e em lugares precisos. Uma origem que não devemos, por consequência, considerar estática nem no tempo nem no espaço – porque… está viva! E amadurece todos os dias!

Autor: Prof. Dr. José D'Encarnação

terça-feira, 1 de maio de 2012

Rito da fertilidade


No dia 1 de Maio o Sol “astrologicamente” encontra-se em Touro, e o Touro marca a morte do Inverno, o nascimento da Primavera, o retorno do Sol do “Deus Sol”. Este festival de raízes celtas Beltane deriva ainda de um antigo festival Druida, festival do Fogo, ambos celebram a união da Deusa ao Deus, da Lua ao Sol. Assim, se celebrava o chamado casamento sagrado, era escolhida uma sacerdotisa e um sacerdote para esse fim e era dada força aos poderes da Luz e da nova Vida que dançavam e se moviam através de toda a criação. Nestes rituais acendiam-se fogueiras, os chamados Fogos Sagrados de Beltane desde a noite anterior para indicar o caminho para o retorno do Sol, as trevas terminavam aí, a Roda da Vida girava para a Luz. Embora chamem as estas festividades cultos lunares elas sempre seguiram o ritmo do Sol. 
Ainda, interessante é que Mitra era um Deus Solar e o Touro era o seu símbolo, a morte sacrificial do Touro que neste caso representaria a Lua, talvez simbolizasse o vencer da Luz sobre as trevas, isso permanece um mistério. 

Em volta destes ritos lunares/solares, pois uns não existem sem o outro haveremos de falar melhor e mais pormenorizadamente, dado ser crente que dentro de cada um de nós se sente as tais "forças", das quais falaremos em breve. 

Autor: O. Florência