quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Jorge Amado e o neo-realismo português


Jorge Amado não é dos autores que se cite numa apresentação extensa, nasceu em 1912 na Baia, logo em 2012 faria 100 anos. Há um universo novelesco que faz com que nós tenhamos a impressão de que a obra de Jorge Amado nos é familiar, mesmo que não tenhamos lido os romances, porque nos lembramos de uma novela como Gabriela Cravo e Canela em versão original de 1983. Há até um certo universo baiano, um certo toque brasileiro de ser que nós julgamos ser de facto brasileiro, por termos visto novelas que partiam de enredos de romances de Jorge Amado, se nos lembrarmos de uma novela como Tieta do Agreste ou Roque Santeiro, aquele universo baiano do candomblé, das prostitutas e dos coronéis, dos jagunços ou dos pretos de loja, e aqui não há aqui qualquer conotação rácica, quando se diz “pretos de loja” é uma expressão baiana, moços de frete como nós dizemos aqui. A verdade é que há um interesse hoje pela literatura de Jorge Amado que faz com que ele seja o escritor brasileiro mais traduzido no mundo, está traduzido em 50 países.  

Jorge Amado curiosamente é dos raros caso que beneficiou em vida de um reconhecimento nacional e internacional, ele é o mais reconhecido dos autores brasileiros e esse reconhecimento vem com os seus próprios pares, o que é raro na literatura, quando João Ubaldo Ribeiro autor do romance “ Viva o povo brasileiro” que é hoje com certeza uma das figuras de proa do romance brasileiro, faz a devida vénia ainda em vida ao seu “mestre” Jorge Amado; quando nós temos uma aceitação critica e generalizada seja no Brasil seja em Portugal; quando na europa democrática ou na europa de leste, ele teve filiação marxista, pertenceu ao Partido Comunista Brasileiro até 1955 e recebe o Premio Estaline em 1954, há um reconhecimento de Jorge Amado que no bloco ocidental que no bloco do leste, a verdade é que, nós percebemos muito cedo a importância da figura, seja da figura humana, seja do escritor e da sua importância para as diversas literaturas. Chegou mesmo a ter um pacto com Pablo Neruda, de jamais escrever as suas memórias, um pouco porque quer ele, quer Pablo Neruda - Nobel da literatura em 1972, defendiam um bocado a ideia de que não era necessário fazer um livro de memórias ou explicar a obra do autor, porque a obra do autor se explica a si própria, a história de um poeta não tem biografia, a obra é a sua biografia. Jorge Amado não vai seguir esse pacto até ao fim, e em 1991 começa a escrever um dos seus livros mais interessantes “Navegação de Cabotagem” que é um livro de memórias, de memórias desconexas ou pelo menos sem fio narrativo.  

O interessante é ver que essa figura que é Jorge Amado, tem uma particularidade, que raras vezes é tida em conta, que é, não separou jamais a vida da literatura, nem a literatura da vida. Para se ter uma ideia, certa ocasião, em 1952, na Chequeslováquia quando pediram para se auto-retratar, ele disse uma coisa muito simples “era um escritor de romances sendo que os seus romances eram sobretudo histórias de putas e coronéis”. De facto, não era um intelectual que estivesse divorciado da vida, era antes um intelectual empenhado em condenar as grandes diferenças sociais, seja do universo baiano nordestino, seja em condenar nos anos 60 a ditadura brasileira.  

Quando dizemos, qual foi a influência de Jorge Amado no neo-realismo português, temos de fazer um ponto da situação. Hoje á distancia de mais de setenta anos o que é exactamente o neo-realismo português? Para um critico como o Castelo Cruz ou Eduardo Lourenço, o neo-realismo português deve duas coisas aquilo que é o neo-realismo social brasileiro, a primeira é um fundo trágico que Eduardo Lourenço identifica na poesia de Carlos Oliveira, no primeiro livro de Carlos de Oliveira “Turismo” é de 1942, que curiosamente nasce Baía em 1921 e vem com um ano de idade para Portugal. O nosso neo-realismo tem esta particularidade, vai reunir um certo lirismo um certo encantamento lírico ao socialismo brasileiro, na poesia vinda de um Ribeiro Torres ou de um Jorge de Lima, e no romance, leram com certeza “Gaibéus” ou “ Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos”, quando falamos desses romances nós percebemos quando Eduardo Lourenço nos fala de um “fundo trágico do neo-realismo português”, assim como há em Manuel da Fonseca, em Alves Redol, em Mário Dionísio. 
A segunda, é de 1960 em diante, em que se concentra num trabalho muito apurado e muito minucioso da palavra sobre a palavra, isto tem uma leitura relativamente explicável é que os nossos anos 60 seja na poesia seja no romance, são o único momento em que na literatura portuguesa há como que uma revisitação e ao mesmo tempo reactualização das lições, quer dizer que poetas como Carlos Oliveira, Jorge de Sena, Sofia de Melo Breyner, fins dos anos 40 á entrada dos anos 60, também eles vão apurar de certo modo, fazer com que o poema seja sobretudo trabalho de linguagem, trabalho estruturado da palavra, conferindo ao poema autonomia, e isto significa que um poeta como Carlos de Oliveira que esteve filiado desde 37 ao neo-realismo e que participa naquela colecção de poetas neo-realistas do Novo Cancioneiro, empreende um caminho de textualidade a partir dos anos 60 em diante ate ao fim da sua obra poética que é por volta de 1976. Este percurso é muito interessante porque dá conta em Carlos de Oliveira como noutros autores do seu tempo, dessa preocupação estrutural pela palavra, dessa preocupação que quase apetece dizer “mineral” sobre a palavra, qualquer coisa que acontece nos romances de Nuno Bragança, que acontece nos romances iniciais de Almeida Faria, em 1961 publica “Rumor Branco” que é um poema, é um romance epistolar, assim como será mais tarde “Cavaleiro andante”, ou a “Paixão”, que são romances em forma de carta, mas o que ressalta á vista é o trabalho metafórico, um trabalho energético, um trabalho sobre um texto. Esse trabalho textual e romanesco de construção de universos muito bem calibrados de personagens, está presente aquilo que é possível numa segunda fase de Jorge Amado, sendo ele de facto alguém que influência imenso a chamada geração de 37 portuguesa, a geração do neo-realismo.

A par desta evolução literária, podemos falar do papel político de Jorge Amado, ele foi de facto um militante comunista e para o neo-realismo português ele surge nos anos 30/40 como o intelectual empenhado. Mário Dionísio vai escrever logo em 1937 quer no jornal O Diabo, quer no jornal Sol Nascente, dois órgãos ligados ao neo-realismo português, duas longas recepções aos romances de Jorge Amado, e que romances? Todos aqueles romances da primeira fase de Jorge Amado que davam conta daquilo que é chamado “ heroísmo neo-romântico” ou “heroísmo baiano”.  
Jorge Amado veio a ser preso frente á Sede das Nações Unidas. O exílio obriga-o viver em Paris, Viena, Praga, conviveu como se sabe com Maria Barroso, Mário Soares, entre outros amigos portugueses, foi íntimo de Raul Solnado, Beatriz Costa, grande amigo de Alçada Baptista, José Carlos Vasconcelos e foi ainda amigo e correspondia-se com Pablo Picasso, Jean Paul Sartre, Simone de Beauvoir.

Falar de Jorge Amado no ano em que se ele estivesse vivo tinha 100 anos, é um bom motivo para pensarmos, e no nosso círculo de amigos fazermos esse trabalho de “traficância de cultura”,  chamar a atenção aos pais de adolescentes da importância da literatura, da história, da filosofia, perguntando assim em jeito de conversa de café, ou num jantar com amigos nossos, se a criança ou o adolescente que está ali connosco sabe quem foi Jorge Amado?

Autor: António Carlos Cortez
Poeta, crítico literário e ensaísta. Professor de Literatura Portuguesa

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Acordai

Acordai
acordai
homens que dormis
a embalar a dor
dos silêncios vis
vinde no clamor
das almas viris
arrancar a flor
que dorme na raíz

Acordai
acordai
raios e tufões
que dormis no ar
e nas multidões
vinde incendiar
de astros e canções
as pedras do mar
o mundo e os corações

Acordai
acendei
de almas e de sóis
este mar sem cais
nem luz de faróis
e acordai depois
das lutas finais
os nossos heróis
que dormem nos covais
Acordai!

Na concentração/vigília de 21 de Setembro de 2012, um grupo coral criado semi-espontaneamente nos dias anteriores cantou Acordai, Música de Fernando Lopes-Graça e Letra de José Gomes Ferreira.  

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Calou-se a maior voz do fado de Coimbra


O cantor Luiz Goes, de 79 anos, uma das referências da canção de Coimbra, morreu esta terça-feira em Mafra.
Nascido em 1933, em Coimbra, Luiz Fernando de Sousa Pires de Goes licenciou-se em Medicina, tendo exercido a profissão de médico dentista em paralelo com a carreira artística.
Iniciou-se no fado por influência do tio paterno, Armando Goes, contemporâneo de Edmundo Bettencourt, António Menano, Lucas Junot, Paradela de Oliveira, Almeida d'Eça e Artur Paredes.

Manuel Alegre Portugal recordou que Luiz Goes «foi padrinho musical de Adriano Correia de Oliveira e José Afonso». Referiu ainda que Luiz Goes gravou na década de 1950 com os músicos Carlos Paredes, João Bagão e António Portugal o álbum «Serenata de Coimbra» que «é ainda hoje o disco português mais vendido».
O músico recordou que «na altura o Luiz Goes recusou um milionário contrato da gravadora Philips porque queria acabar o curso».

«O Luiz Goes representa para a música de Coimbra o que Amália Rodrigues representa para a música portuguesa», rematou Manuel Alegre Portugal.

O músico Rui Pato considerou que a morte do cantor Luís Goes deixa a canção de Coimbra de luto, pois era a melhor voz e o melhor intérprete dos últimos 50 ou 60 anos.
«É uma grande perda, era um grande poeta, um grande músico e um grande homem», sublinhou Rui Pato, acompanhante de vários destacados intérpretes da canção de Coimbra, entre eles o trovador José Afonso.
Recordou ainda «o grande amigo» e o homem, empenhado na cidadania e nos valores democráticos.
«Morreu a voz que simbolizava o Fado de Coimbra. É uma grande perda. Coimbra está de luto», acentuou.

Como autor, Luiz Goes assinou 25 fados e 18 baladas, dos quais se destacam «Fado da Despedida», «Toada Beira», «Balada da Distância», «Canção do Regresso», «Homem Só», «Meu Irmão», «Romagem à Lapa» e «É Preciso Acreditar», entre muitos outros.

Em 2002, assinalando os 50 anos da sua primeira gravação a discográfica EMI-Valentim de Carvalho reuniu a obra integral numa edição intitulada «Canções Para Quem Vier».


terça-feira, 11 de setembro de 2012

A voz da terra



Calem-se agora os ventos e todos os tormentos da minha alma. 
Calem-se!

Calem-se todas as angústias, 
e a voz da fera que construiu paredes para a Liberdade. 
Calem-se dentro de mim por um momento.
 
Agora! 
Só quero ouvir o voo da águia a tocar a clara luz das montanhas de onde vim! 
Só quero ouvir os passos dos caminhos que me trouxeram.
Quero apenas a alegria no coração dos Homens.

Só quero ouvir no meu peito a tua voz,
 ó Terra…
 onde lanço a primeira pedra e a semente de um sonho.
 Agora.

Auto: O. Florência